Liberdade para os Presos

Em Barcelona, numa semana, a polícia terrorista sequestrou 11 companheiros, mantendo-os incomunicáveis, sobre forte tortura e acusando-os desde tentativa de homicídio a terrorismo. SOLIDARIEDADE COM OS PRESOS. FOGO AS PRISÕES.

DIA 4 de Fevereiro: Num bairro politicamente muito activo do centro de Barcelona, enquanto a polícia "protegia" uma festa numa casa okupada por chibos e mafiosos (que, obviamente mantêm boa relação com a polícia) atacaram um grupo de pessoas que permanecia na rua, em troca de argumentos com os bófias (estes não os deixavam passar). Após horas de perseguição e violência pelo bairro (os companheiros agredidos responderam em autodefesa contra os bófias) um desses cães de guarda do estado foi parar ao hospital em coma. 9 pessoas foram detidas nessa noite, duas das quais foram "raptadas" dos hospital onde se encontravam por causa de um acidente de bicicleta: terá sido, segundo os bófias a "estética okupa" dessas pessoas que os levou à detenção.

3 dos detidos (supostamente mais directamente relacionados com o caso) estiveram incomunicáveis por mais de 48 horas onde sofreram fortes torturas! Para exemplo disto, um dos companheiros (o Juan) tem neste momento os dois braços partidos, e terá estado (segundo relato dos outros detidos que mais tarde saíram em "liberdade) horas a fio amarrado de braços e pernas a uma cadeira enquanto toda a esquadra, um por um, o espancava e torturava. São evidentes em todas as pessoas detidas nessa noite sinais claros de tortura policial, e ao que parece, os 3 que passaram dos calabouços da polícia para a prisão (segundo ordem do tribunal) estarão inimaginavelmente destruídos, marcados, e torturados. São neste momento acusados de atentado à autoridade e tentativa de homicídio.

DIA 9 de Fevereiro: Por volta das 8 da manhã do dia 9/02/06, passada quinta-feira, os Mossos d’Esquadra (polícia autónoma Catalã) detiveram um companheiro quando este saía do trabalho. Tudo ocorreu no bairro de Horta – Barcelona. Segundo testemunhos, eram polícias encapuçados da Brigada Antiterrorista. A pessoa foi levada até o seu domícilio onde entraram, revistaram tudo, fizeram provas de impressões digitais, e acabaram por sair com outra pessoa detida (um companheiro italiano). Ao mesmo tempo os Mossos entravam noutro piso, em pleno centro de Barcelona e depois de revistar e apreender todo o tipo de material, detiveram outro companheiro. Todas as 3 pessoas detidas foram mantidas incomunicáveis, o que provocou um desconhecimento total do local onde estavam detidos, as condições em que se encontravam e as acusações. Mais tarde, e essencialmente através da imprensa, soube-se que os 3 companheiros estavam a ser acusados do ataque incendiário contra o CIRE (centro para a promoção de actividades de "reabilitação" de presos), realizado no início de 2005, entre outros ataques, e que o caso ainda se encontra aberto.

Neste momento, o companheiro italiano saiu em "liberdade", enquanto os outros dois (Ignasi e Ruben) passaram para prisão preventiva. Nas últimas horas de sábado, dia 11, gerou-se o rumor, ainda não confirmado de outras duas detenções relacionadas com este caso. Soubemos também que Ruben e Ignasi estavam na prisão "Modelo", partilhando a mesma cela, sendo que no dia 13 Ruben foi transferido para a Prisão "Can Brians" e no dia seguinte Ignasi foi transferido para a prisão "Quatre Camins", as duas fora de Barcelona, criando assim a dispersão entre os detidos e dificultando a comunicação e as acções de solidariedade.

Para quem quiser apoiar economicamente os detidos aqui está o número de conta:
“La Caixa” 2100-3002-01-2105267123
IBAN: ES66
BIC/SWIFT: CAIXESBBXXX
[Este para os detidos de 4 de fevereiro]
Banco Oficina D.C. Número de cuenta
0182 – 4209 – 47 – 0201518073

SE NÃO AGORA, QUANDO? SE NÃO TU, QUEM? NEM MAIS UM DEDO DESSES PORCOS FASCISTAS EM CIMA DOS NOSSOS COMPANHEIROS. SOLIDARIEDADE ACTIVA!

Anúncios