Carbonária Anarquista

Estes são os Princípios da Carbonária

1- A Carbonária é uma associação independente, de afinidades, que procura intervir directamente na defesa dos interesses económicos , sociais e culturais dos indivíduos.
2- A prática desta aliança baseia-se nos problemas concretos e nos interesses imediatos e mediatos dos indivíduos. A sua acção visa simultaneamente, a melhoria do quadro do sistema social vigente das condições de vida de todos os explorados e a emancipação dos indivíduos. A edificação de uma sociedade assente no comunismo libertário e a substituição da organização autoritária capitalista por uma confederação de comunas livres locais, igualitárias e libertárias, constitui o objectivo final da Carbonária.
3- A Carbonária pratica e defende a união livre e solidária dos indivíduos, as suas assembleias destinam-se a chegar a acordos livres, os seus membros são autónomos.
4- A utilização do método da acção directa e o recurso à arma da solidariedade constituem dois aspectos essenciais da prática da Carbonária.
5- A Carbonária é uma associação internacionalista, defende a existência de uma solidariedade prática entre os indivíduos e povos de todo o mundo.
Sendo internacionalista é consequentemente anti-militarista. A Carbonária opõe-se a que os indivíduos e os povos de todo o mundo sejam carne para canhão das guerras inter-estados e inter-capitalistas, que se matem uns aos outros para defender interesses capitalistas, religiosos ou de Estados nacionais. À divisão da sociedade humana em Estados nacionais e à competição religiosa e económica capitalista, o colectivo opõe a união pelo livre acordo, todos os indivíduos, povos ,países e regiões do mundo na base da supressão do trabalho assalariado e da instauração de uma efectiva igualdade social. A Carbonária combate todas as manobras da classe dirigente e exploradora (nacionalismos, racismo, etc.) que visam dividir os indivíduos e a classe explorada.
6- Na Carbonária não existem funções deliberativas ou executivas, nem representantes eleitos ou cargos remunerados. Existem sim, órgãos com funções de relacionamento e organização que são revogáveis a qualquer momento
7- A Carbonária baseia-se nos princípios do federalismo anarquista, rejeita toda ou qualquer tipo de coacção ou imposição, de maiorias ou minorias, ou seja , baseia-se no principio da autonomia dos indivíduos e das suas associações.
8- A Carbonária na o tem qualquer ajuda financeira de entidades exteriores as suas receitas são os donativos dos seus membros ou aderentes e as provenientes de acções e edições de propaganda.
9- A Carbonária baseia-se no principio da responsabilidade individual ou seja , a Carbonária é solidária com qualquer um dos seus membros e/ ou libertários que sejam objecto de repressão, sejam eles pacifistas ou insurrecionalistas. A Carbonária desresponsabiliza-se de actos isolados que não tenham sido discutidos e aceites por livre acordo.
10- A Carbonária procura estabelecer alianças com outras organizações revolucionárias, indivíduos e colectivos afins, com o intuito de levar a cabo acções nacionais e internacionais comuns estas alianças não serão nunca estabelecidas com partidos políticos ou organizações que aceitem o estado com factor de organização social.
11- A Carbonária dá especial atenção à defesa dos interesses das camadas pobres e discriminadas da sociedade sejam: minorias étnicas, deficientes, presos, idosos, transexuais e outros grupos que não encaixem no status e estériotipos vigentes.
A Carbonária defende a igualdade social, a diversidade, a solidariedade e a cooperação voluntária ou a união pelo livre acordo, rejeita portanto a família-instituição e as relações baseadas na coacção e defende consequentemente o amor livre e a liberdade no amor e as uniões livres amorosas. Para a Carbonária a liberdade é insubstituível.

Anúncios

Gabriel

 É com tristeza que prestamos aqui uma sentida homenagem ao Companheiro Gabriel.

 Gabriel Morato foi, para além de um grande amigo, um grande lutador e activista incansável. A debilitação física nunca conseguiu vergar-lhe a caminhada pela construção do Ideal com que sonhamos. Era sócio do Centro de Cultura Libertária de Cacilhas, onde aparecia com frequência nos debates e reuniões. À data era o “director legal” da revista Acção Directa, na qual investiu imenso tempo e trabalho, escrevendo textos e fazendo inúmeras traduções; a sua actividade também foi notória na construção da secção Portuguesa da AIT (Associação Internacional dos Trabalhadores).

 Tem um livro escrito, que fala sobre comunismo autoritário e comunismo libertário, que esperamos ver publicado.

 Onde havia uma manifestação, uma concentração, uma acção genuinamente anarquista, a sua presença era notória. Enfrentou praticamente sozinho, de bengala em punho, os manifestantes fascistas, à menos de um mês. Um propagandista incansável.

 Sem dúvida que o Ideal perdeu uma excelente pessoa, que a sua perseverança nos inspire a todos.

 O nosso pesar.

Carbonária Anarquista